Precificação – Custo e Frequência Média

Precificação – Custo e Frequência Média

 

Durante um evento com um grupo de líderes e dirigentes no estado de são Paulo a Strategy promoveu um QUIZ para identificar o nível de conhecimento dos temas que são rotinas nas operadoras. Nesse QUIZ abordamos temas de diversas áreas que são diretamente relacionadas aos assuntos técnicos atuariais.

Uma das questões do QUIZ era sobre os dados mínimos necessários para cálculo do preço de plano de saúde e fomos surpreendidos com as diversas dúvidas apresentadas acerca da precificação e percebemos que embora seja um assunto do dia a dia das operadoras, esse é um tema que precisa frequentemente ser revisitado.

Essa coluna tem como objetivo relembrar que a precificação de um produto e a definição dos valores de vendas praticados estão diretamente relacionados com a principal receita de uma operadora, que o preço de comercialização do produto deve ser suficiente para cobrir das despesas não assistenciais (despesas Administrativas, tais como com tributos sobre as contraprestações, despesas para operar o plano de saúde, folha de pagamento, marketing e etc), as despesas Comerciais (remuneração de equipes de vendas própria e terceirizada), despesas assistenciais (relativas ao atendimento médico hospitalar dos beneficiários) e finalmente gerar resultados.

A precificação necessita de no mínimo dados de custos médios dos grupos de procedimentos, que poderá ser diferenciado por produto e da frequência média de utilização.

Esses são dados fundamentais para a precificação, que deverá ser informado pela operadora.

Vale lembrar que, sempre que houver mudança dos parâmetros que compõe a precificação, as notas técnicas dos produtos deverão ser atualizadas.

 

Lesina Spinola
Consultora
Strategy Consultoria Atuarial e Regulatória


Data do artigo: 06/09/2017