Modelos de Remuneração


Modelos de Remuneração


Um Estudo feito pelo IESS aponta que dos cinco países com a inflação médica mais elevada, três utilizam o fee-for-service (FFS) como modelo de pagamento de serviços de saúde. Por outro lado, os cinco países com os menores níveis de inflação médica adotam modelos de pagamento prospectivos (o modelo prospectivo de pagamento é assim chamado em função de que a despesa com saúde é conhecida antes que o procedimento médico ocorra).

Existem alguns outros modelos que o mercado de saúde suplementar vem adotando, como Capitation, remuneração mista (fixa + variável) e remuneração hospitalar baseada em diagnóstico, vulgo DRG. Contudo, há ainda muita resistência por parte dos prestadores de atenção a saúde, pois é um segmento que não domina seus números, carece de análise estatística de sua micro realidade para gerar análise das oportunidades que podem surgir, seja por parte das operadoras ou mesmo por iniciativa própria. Além disso, novos modelos exigem outro perfil de profissional no faturamento, pois passa a ser mais importante a análise da rentabilidade por atendimento do que a quantidade de atendimentos.

Os novos modelos de remuneração significam redefinir a atual lógica da saúde suplentar da quantidade de procedimentos para a qualidade destes eventos assistenciais, focando na rentabilidade para o prestador e previsibilidade para a operadora. Assim vamos sair do foco na doença e redirecionar para a prevenção de suas causas, com comprometimento da rede prestadora. Outra mudança importante será redirecionamento da redução imediata de sinistros para o resultado final do serviço assistencial prestado.

Fonte IESS: http://iess.org.br/?p=publicacoes&id=867&id_tipo=3


Pablo Viana
Consultor
Strategy Consultoria Atuarial e Regulatória


Data do artigo: 05/10/2017